Cacau Protásio comenta ataques racistas em quartel de bombeiros: 'Não entendi por que tanto ódio'

Compartilhar :  

Postado em: 28 / 11 / 2019 [01:14 am]

Cacau Protásio fez uma série de vídeos nesta quarta-feira (27) para falar sobre os ataques racistas que recebeu por parte de bombeiros no Rio de Janeiro.
 
A situação aconteceu depois de a atriz gravar cenas do filme "Juntos e Enrolados" em um quartel no centro do Rio de Janeiro no domingo (24).
 
Depois disso, começaram a circular áudios e vídeos em que bombeiros reclamam da gravação no lugar e fazem comentários racistas, homofóbicos e gordofóbicos em relação à Cacau e ao elenco.
 
"Eu faço um filme, eu conto história, aquilo ali é uma ficção não é realidade. Ele espalhou o vídeo com áudio me xingando de negra, gorda, filha da p***, aquela cambada de viado", disse a atriz.
 
"Racismo é preconceito se vocês não sabem ou se ele não sabe. Isso é muito triste, não entendi por que tanto ódio", continuou.
 
Em nota, o Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro disse que "não compactua com qualquer ato discriminatório". Leia comunicado na íntegra abaixo.
 
Desabafo emocionado
Cacau falou sobre o caso de racismo através de vídeos postados em seu perfil nas redes sociais.
 
"Sou negra, sou gorda, sou brasileira, sou atriz, eu conto história, eu conto ficção. Eu não mereço ser agredida, assim como nenhuma pessoa. Eu respeito a opinião de alguns bombeiros de ‘ah eu não acho certo’, mas vai ver realmente a história antes de agredir", afirmou.
 
"Sei que eu sou uma pessoa forte, mas ouvir tudo isso de um ser humano é horrível, muito triste. E como uma pessoa que veste uma farda tão linda tem essa postura, como eu posso dizer que ele salva vidas?", continua, aos prantos.
 
"Então, eu só estou aqui para dizer que racismo é crime e isso não se faz", finaliza.
Famosos como Fiorella Mattheis, Anitta, Pathy de Jesus e Tatá Werneck mandaram mensagens de apoio para a atriz.
 
O ator Marcos Pasquim, que está no elenco do filme e gravou com Cacau no quartel, publicou um vídeo falando sobre a colega de cena.
 
"Cacau Protásio é uma talentosa atriz de quase 20 anos de carreira. Ela é mulher, negra, guerreira e merece todo o nosso respeito. Não há hipótese em que episódios de racismo possam ser tolerados. Racismo é crime, e ponto", disse.
 
No domingo, Cacau chegou a postar uma foto com profissionais do quartel e agradeceu o acolhimento durante a gravação.
 
"Eu gostaria de agradecer ao CBMERJ, na praça da República por nos receber muito bem hoje, nos assessorou em todos os momentos. Muito obrigada! Essa corporação tem meu respeito, eu estou amando fazer uma Bombeiro Sargento Diana!", escreveu em post nas redes sociais no domingo (24).
 
Nota da Corporação
O Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro afirmou que não compactua com "qualquer ato discriminatório" e disse que abriu "procedimento interno" sobre o caso. Leia nota na íntegra:
 
"O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ) informa que não compactua com qualquer ato discriminatório. A corporação se solidariza com a atriz Cacau Protásio e já abriu procedimento interno para identificar o(s) militar(es) e apurar a conduta.
 
O CBMERJ reforça o seu compromisso com a população de Vida Alheia e Riquezas Salvar independente de cor, gênero, raça ou qualquer outra distinção. Os atos divulgados não representam a corporação centenária que, por anos seguidos, é considerada a instituição mais confiável do Brasil".
 
Fonte: G1