Musical 'Billy Elliot' tem datas canceladas na Hungria após campanha homofóbica

Compartilhar :  

Postado em: 22 / 06 / 2018 [01:07 am]

 
 
Ópera nacional húngara anunciou o cancelamento de 15 apresentações do musical "Billy Elliot" em Budapeste, após uma campanha homofóbica feita pela imprensa nacional contra o espetáculo.
 
"A campanha negativa das últimas semanas em relação à produção 'Billy Elliot' fez cair de forma significativa a venda de ingressos", explicou o diretor da instituição, Szilveszter Okovacs, citado pelo jornal húngaro on-line 444.hu.
 
O musical "Billy Elliot", inspirado no filme homônimo do diretor britânico Stephen Daldry (2000), conta a história de um adolescente de um bairro modesto que escolhe se dedicar à dança clássica em vez do boxe, e acaba se tornando um bailarino estrela. O musical foi escrito por Lee Hall, com trilha de Elton John. A versão húngara tem astros nacionais, como Nikolett Gallusz e András Stohl.
 
O anúncio da entrada em cartaz deste espetáculo motivou intensos ataques por parte do jornal Magyar Idok, próximo ao governo do ultraconservador Viktor Orban. Em artigo sobre o musical no dia 1° de junho, o jornal diz que “a propagação da homossexualidade não pode ser objetivo nacional enquanto a população está envelhecendo e encolhendo, no momento em que nosso país é ameaçado de invasão”.
 
Ameaça para crianças
O Magyar Idok também insulta os envolvidos na produção com frases homofóbicas, acusando-os de querer transformar as crianças húngaras em "homossexuais".
 
Para 444.hu, o cancelamento do espetáculo se deve mais às pressões políticas que às econômicas, já que as vendas antecipadas foram um sucesso, segundo o jornal independente.
 
As campanhas homofóbicas se multiplicaram nas últimas semanas na Hungria. Na terça-feira (19), o semanário Figyelö, também próximo a Orban, publicou uma lista de pesquisadores da Academia Húngara de Ciências acusados de trabalhar pelos direitos dos homossexuais.
 
Apesar das 15 datas canceladas, o espetáculo tem outras 24 apresentações marcadas na capital.
 
Fonte: G1