Lendário no teatro, Zé Celso vive contrabandista em seu 1º protagonista no cinema: "Horácio"

Compartilhar :  

Postado em: 11 / 04 / 2019 [01:33 am]

 
 
Famoso por sua atuação nos palcos do Teatro Oficina, o diretor e ator Zé Celso, estrela pela primeira vez um longa-metragem. Horácio, também é o primeiro filme de Mathias Mangin e chega aos cinemas amanhã (11 de abril).
 
Com distribuição da O2 Play e produzido da Igloo Filmes, Horácio traz Zé Celso como um excêntrico contrabandista gay de 80 anos apaixonado por Milton (Marcelo Drummond), seu capanga predileto. Maria Luisa Mendonça interpreta Petula, filha de Horácio.
 
“Apesar da imensa experiência que ele tem, foi um ator paciente com um jovem diretor, generoso com suas ideias. Graças às dicas que o Zé me deu, aos textos que ele me leu do Stanislawski durante a pré-produção e a sua grande capacidade de improvisação, conseguimos dar ao seu personagem a textura e a vida que estavam nas páginas do roteiro”, avalia Mangin.
 

A trama se passa no bairro do Bixiga, um dos mais tradicionais de São Paulo, que também serve de esconderijo para o protagonista, cuja prisão foi decretada por um juíz. Ao perceber que o cerco está se fechando e que pode ser preso, Horácio tenta convencer Milton a fugir para o Paraguai e começar uma vida nova. O que ele não sabe é que o capanga está apaixonado por uma mulher misteriosa.
 
Nesse drama em que nenhum dos personagens sabe se é amado e por quem é amado, mentira, chantagem, sequestro e assassinato constroem um universo que progressivamente desmorona e torna o improvável possível.
 
No elenco estão também Ricardo Bittencourt, Sylvia Prado, Glamour Garcia e Eucir de Souza.
 
O cantor Pélico interpreta a música “Se eu Fosse Mulher”, composta especialmente para o longa-metragem. A única canção que não foi criada para o filme é cantada por Ronnie Von. “Tudo foi feito buscando o contraponto, e tenho certeza que a trilha, mistura de uma música clássica profunda com arrasta pé ou músicas mais alegres, contribuiu muito para a construção desse efeito tragicômico”, explica Mangin.
 
Fonte: Prodview