Cássia Kis volta aos palcos após 10 anos em peça sobre arte: 'Cultura se tornou algo proibido no Brasil'

Compartilhar :  

Postado em: 21 / 03 / 2019 [01:38 am]

 
Cássia Kis precisou de quase 40 anos para montar e estrelar o espetáculo “Meu quintal é maior do que o mundo”, inspirado no poeta Manoel de Barros.
 
Revisitando a obra do autor e amigo, a atriz leva ao palco não só as palavras de Manoel, mas uma reflexão sobre arte e poesia. “E não se fala nessa palavra cultura, se tornou um assunto proibido.”
 
“Parece que o nosso museu no Rio de Janeiro ter queimado é quase um favor. ‘Ah, para que gastar dinheiro com aquela velharia que está lá acumulada’. A sensação que dá é essa”, desabafa a atriz ao G1.
 
A intenção de Cássia com sua peça, montada a partir do livro “Memórias Inventadas”, é trazer um "sopro de esperança" diante desse cenário.
 
“Estamos falando de um público carente desse lugar, doido para escutar uma coisa maravilhosa que tire sua cabeça e seu coração desse lugar comum, que tá pedindo ‘me satisfaça com alguma coisa’, por favor. Temos direito à felicidade sem muito esforço.”
 
Público emocionado
“Meu quintal é maior do que o mundo” teve uma temporada pelo teatro Sesi-SP em janeiro e fevereiro. Após o espetáculo, Cássia costuma voltar ao palco para um bate-papo de 20 minutos com a plateia para ajudar na análise do que foi apresentado.
 
“Tem gente que já assistiu cinco vezes, jovens que choraram durante todo o espetáculo com a beleza e a sensibilidade, que assistiu a uma peça pela primeira vez, então eu me emociono sempre também com esses relatos."
 
Para a atriz, a função da arte é provocar sensações e transformar o espectador. “Fazer projetos que levem a esse lugar bom e aconchegante é o caminho diante de um Brasil desmanchado, né? Um Brasil que precisa acordar de novo, de dizer nós podemos, vamos mudar isso."
 
O encontro com Manoel
Esta não é mais uma adaptação impessoal de um artista sobre outro. Cássia e Manoel de Barros se corresponderam durante dez anos por cartas. Depois, a atriz visitou a fazenda do poeta e se tornou amiga da família.
 
“Assim que eu o conheci, nos anos 1980, fiquei apaixonada. Já na época eu quis fazer um trabalho sobre ele, mas não foi possível tamanho o compromisso que eu estava com gravações, a TV, meus filhos e a construção da minha história."
 
Cássia se emociona ao falar do homenageado. “Foi lindo, está sendo né? Eu com 61 anos, o Manoel não tá mais aqui, mas acho que ele estaria muito satisfeito com esse trabalho que a gente fez aqui, onde ele é o nosso mestre absoluto.”
 
Envelhecer na frente das câmeras
A peça aborda três grandes momentos da vida de Manoel: o menino, o homem, o velho. Para Cássia, passar por essas fases de sua vida tem sido um grande desafio.
 
"Tenho 61 anos, mas acho difícil acreditar que eu seja uma velha, que eu já esteja na terceira idade, que eu entro no metrô e alguém levanta para me oferecer um lugar, é muito engraçado."
 
Cássia se sente como uma criança. "Em qualquer lugar, olham a cor do meu cabelo e a minha cara com 550 milhões de rugas, eu entendo isso. Mas não é a minha alma, eu sou uma criança. E essa peça me dá esse lugar de criança mais do que nunca. Essa criança mesmo que todos nós temos dentro de nós."
 
Novos projetos
O último papel fixo de Cássia na televisão foi na minissérie "Os dias eram assim", em 2017. Desde então, ela fez participações em "Segundo Sol" e "Ilha de ferro".
 
A atriz busca agora outra fase na carreira e trabalha em projetos para oferecer à Rede Globo. "Estou em um momento em que eu vou oferecer os projetos. Agora, sou uma atriz madura, não uma atriz que precisa que imponham. Tenho maturidade e inteligencia suficientes para ser dona dos meus projetos."
 
SERVIÇO
'Meu quintal é maior do que o mundo'
Rio de Janeiro
Onde: Teatro Cidade das Artes, Av. das Américas, 5300 – Barra da Tijuca.
Quando: De quinta-feira (21) a domingo (24)
Horários: Quinta, sexta e sábado às 21h e domingo às 20h
São Paulo
Onde: Sala Itaú Cultural, Avenida Paulista, 149 - Cerqueira César.
Quando: 30 e 31 de março.
Horários: Sábado às 20h, e domingo às 19h
 
Fonte: G1