Brasileiros entram para Academia de Hollywood

Compartilhar :  

Postado em: 02 / 07 / 2020 [08:35 am]

 
A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood divulgou nesta terça-feira (30) os novos membros da entidade que organiza o Oscar. A lista tem 819 votantes de 68 nacionalidades, em uma tentativa de aumentar a diversidade.
 
A lista inclui Mariana Oliva e Tiago Pavan, produtores do documentário "Democracia em vertigem", que foi indicado em 2020. A diretora do filme, Petra Costa, já faz parte da Academia desde 2018.
 
Também estão entre os brasileiros o animador Otto Guerra ("Wood & Stock: Sexo, Orégano e Rock'n'Roll"), a montadora Cristina Amaral ("Um Filme de Verão” “Person”) e os documentaristas Julia Bacha (“Naila and the Uprising" e “Budrus”) e Vincent Carelli ("Martírio" e “Corumbiara").
 
Julia Bacha nasceu no Rio, mas atua principalmente nos EUA. Já Vincent Carelli nasceu em Paris, mas foi criado no Brasil e faz filmes ligados aos povos indígenas.
 
Cinema colorido
A Academia de Hollywood destacou a diversidade ao divulgar os novos membros. Há alguns anos a entidade tenta reponder às críticas sobre a falta de representatividade entre os membros, indicados e vencedores, como na campanha #OscarsSoWhite.
 
Toda a equipe principal do filme sul-coreano "Parasita", grande vencedor de 2020, a atriz de origem chinesa Awkwafina e a atriz de origem nigeriana Cynthia Erivo, por exemplo, estão entre os novos membros.
 
Segundo a academia, entre os 819 novos votantes, 45% são mulheres, 36% são de "comunidades étnicas que eram pouco representadas" e 49% são de outros países além dos EUA.
 
A entrada eleva a porcentagem total de membros a 33% de mulheres, 19% de "entidades étnicas que eram pouco representadas" e 20% de não-americanos. A entidade conta com mais de 10 mil votantes.
 
Entre os outros brasileiros que já fazem parte da Academia de Hollywood estão Alice Braga, Rodrigo Santoro, Carlinhos Brown, Kleber Mendonça Filho, Walter Carvalho, Sônia Braga, Fernanda Montenegro, Walter Salles, Rodrigo Teixeira e José Padilha.
 
Fonte: G1