'Mulher da minha idade fazendo papel nordestino e protagonista é revolucionário', diz Regina Casé

Compartilhar :  

Postado em: 13 / 11 / 2019 [01:12 am]

Após 18 anos afastada das novelas, aos 65 anos, Regina Casé se prepara para viver Lurdes, uma empregada doméstica que sai do Rio Grande do Norte para o Rio de Janeiro em busca de seu filho, que foi vendido por seu marido (Daniel Ribeiro).
 
O papel, ela conta durante a festa de lançamento da novela no Rio, foi escrito pela autora Manuela Dias especialmente para ela. Regina se animou a voltar às telinhas.
 
"Eu fiquei muito feliz quando passei a ver negros protagonizando novelas, mas depois eu fiquei pensando assim: 'Quando que uma mulher da minha idade, com a minha história, fazendo um personagem nordestino, pobre, empregada doméstica, seria protagonista de uma novela das nove na Globo? É igualmente revolucionário", diz ela.
 
Ao ver as chamadas de 'Amor de Mãe', é difícil não lembrar de outra nordestina interpretada por Regina que arrebatou o coração dos espectadores do cinema: a Val, do filme "Que Horas Ela Volta?". A atriz e apresentadora comentou o que ela e as personagens têm em comum.
 
"A Val nunca conviveu com a filha, conheceu a filha praticamente adulta. Eu tenho uma relação muito próxima, amorosa, de muita intimidade e carinho com meus filhos (Benedita e Roque), o que já é uma grande diferença. A Val era muito submissa, achava que era assim mesmo, a Lurdes não acha que é assim mesmo. Eu vou lá, quebro tudo. Agora, na doçura da Val, no humor, ela pode aparecer na Lurdes, eu não vou afastar (as personagens). Ela é linda, não estou com medo delas ficarem parecidas", diz ela.
 
Amor de mãe... e de avó
Quando o assunto é o tema que dá título à novela, Regina não economiza na declaração de amor aos filhos.
 
"É uma das viagens mais loucas. Eu fui mãe aos 35 anos. Não planejei. Quando olhei, tava grávida. Achei que não ia ser uma boa mãe, tenho um filho de 6 anos e uma de 30. Quando vejo minha filha e a relação dela com o mundo, vejo que fui uma mãe muito melhor do eu podia imaginar. Ser mãe é difícil pra caramba. Adoro ser mãe, mesmo as coisas chatas, como colocar de castigo", diz ela.
 
E quando vira avó?
"Ave Maria, de avó é pior! Eu achava que eu ia ficar louca pelo neto, e eu sou louca. Fiquei três dias agora sem ver o Brás e pensava nele de dois em dois minutos, ficava me controlando pra não ligar. Sabe quando você começou a namorar uma pessoa, tá apaixonada e não pensa em outra coisa? Uma paixão.".
 
Ao acabar a conversa com o G1, Regina comenta que queria uma tirar uma foto em que não risse. "Queria tanto tirar uma foto séria, acho chique tirar foto séria", diz ela, enquanto tenta não sorrir. O resultado foi o registro abaixo.
 
Fonte: G1